AtualidadeFiscalidade

Oportunidades decorrentes dos desenvolvimentos legislativos, para empresas e colaboradores

Feito por:  Cyrille Favel

A Edenred Portugal, como especialista nas soluções de benefícios sociais, procura oferecer aos seus clientes as melhores soluções para a otimização fiscal das empresas portuguesas e para o consequente aumento da produtividade destas.
No paradigma atual, em que Portugal está a «sair» de uma crise económica e a maioria das empresas não têm como aumentar o salário base dos seus colaboradores, existem soluções para que este aumento seja visível sem haver um sacrifício de salário.

E como? Ao aumentar o subsídio diário de refeição até ao limite isento permitido por lei, 6,83 euros, está a responder ao aumento efetivo no rendimento do seu colaborador, assim como a uma melhoria significativa na eficiência fiscal da empresa. Faça as contas!

Com esta implementação para o ano de 2015, o colaborador vê aumentar o seu poder de compra dedicado, uma vez que um euro recebido irá corresponder a um euro a aplicar na alimentação, enquanto não recebendo por esta forma auferiria apenas 0,77 euros. O valor recebido é isento de impostos, o que significa claramente um ganho social direto e mais liquidez no final de cada mês. Já a empresa, optando por esta alavanca salarial, passa a dispor de uma ferramenta de fidelização do capital humano e que não aumenta a sua carga fiscal.

Esta é sem dúvida uma oportunidade decorrente dos desenvolvimentos legislativos que têm sido implementados nos últimos anos, e as nossas soluções contribuem para uma melhor performance no trabalho, tendo como principais áreas de atuação os benefícios sociais para os trabalhadores. Portugal faz parte dos países percursores e inovadores ao nível da Europa, com o uso do cartão para estes produtos desde 2012.

Em comparação, França lançou só este ano o seu primeiro cartão refeição. Porém, ao contrário dos outros países, uma parte ainda significativa fica em dinheiro, o que dilui um pouco alguns dos objetivos deste produto, como o controlo do fluxo na economia formal e ser fonte de dinamismo económico para os sectores da alimentação e da restauração.

De referir também que de acordo com a recente alteração do Orçamento de Estado 2015, ainda a ser aprovada, prevê-se o alargamento do benefício social de apoio à infância, com o objetivo de ser criado um vale de educação de suporte às famílias com filhos ou dependentes com idade até aos 25 anos. Mais uma vez, esta medida fiscal permitirá às empresas apoiar e incentivar ainda mais os seus colaboradores e, para além disto, ter uma poupança fiscal anual associada.

As despesas de infância e agora as despesas de educação dos filhos dos colaboradores poderão ser suportadas através de vales de infância e educação isentos de tributação, para a empresa e para o colaborador. Desde a primeira infância até à universidade, trata-se de um valor seguro nas contas dos colaboradores.

Previous post

Porquê o local do trabalho?

Next post

Entrevista a Sara Ferreira, diretora de Comunicação e Marketing da Edenred: "O importante são as pessoas"

Cristina Barros

Cristina Barros

No Comment

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *