Compensação

Evelyn Garcia – Corporate Head Of Compensation And Global Mobility Na Acciona

Pode-nos explicar as suas funções atuais e descrever-nos um pouco o seu percurso profissional?

Bom dia Cristina, atualmente sou corporate head of compensation and global mobility na Acciona. Toda a minha trajetória profissional aconteceu no ámbito da assessoria de recursos humanos, essencialmente na área de expatriação, compensação e beneficios. Comecei a minha carreira na área fiscal da Garrigues, posteriormente no departamento dehuman capital da PwC e Ernst & Young. Sou licenciada em direito, tenho um master em assessoria fiscal do Centro de Estudios Financieros e um MBA do Instituto de Empresa. Atualmente também estou a fazer um doutoramento em inteligência cultural na Universidade Pontificia de Comillas. Sou também sócia fundadora do Kayros Institute, consultora de formação e desenvolvimento, pioneira na utilização do método de aprendizagem acelerado em programas de formação para melhorar as capacidades para vender, liderar e comunicar no mundo dos negócios (http://www.kayros-institute.com/).

Pode descrever-nos as suas principais responsabilidades na Acciona e qual o seu trabalho diário?

Uma das minhas funções principais é a definição de compensação e mobilidade internacional do grupo, assim como a responsabilidade da abertura em novos países e de centros de referência corporativos. Temos uma equipa de profissionais que me dão apoio, tanto aqui na sede em Madrid como nos países onde exercemos a nossa atividade.

Têm atividade em Portugal?

Portugal foi um dos primeiros países para onde a Acciona expandiu a sua atividade com diversas linhas de negócio desde a construção, energia, água e serviços. Temos uma presença significativa em Portugal, essencialmente no setor eólico, com 17 parques eólicos a funcionar. Como projetos mais representativos podemos destacar a central fotovoltaica da Amareleja, a barragem do Alqueva, a ponte Infante D. Henrique e a Gare do Oriente. Atualmente a Acciona é uma empresa global, líder em infraestruturas, água, serviços e energias renováveis com mais de 30 000 colaboradores, em mais de 30 países nos 5 continentes.

Enquanto responsável pelas políticas de compensação, pode-nos dizer quais são as grandes tendências para 2015?

As tendências na retribuição para 2015 vão seguir as do ano 2014. As tendências em vencimentos fixos seguirão as de 2014 e potenciam-se mais os esquemas de retribuição que integrem remuneração variável e o uso de benefícios. Estas variáveis permitem criar pacotes de remuneração respondendo melhor às necessidades de cada colaborador.

O que mudou esta crise económica nas políticas de retribuição das empresas?

Acredito que o grande desafio dos sistemas de retribuição está em conseguir ligar a retribuição à retenção do talento e a sistemas de remuneração variável que mereçam a contribuição dos profissionais da empresa.

Uma parte significativa dos colaboradores da Acciona está fora de Espanha. Como se escolhe um colaborador para ir para fora?

75% dos colaboradores da Acciona estão fora das nossas fronteiras, em consequência da rápida internacionalização da empresa. Atualmente estamos presentes em mais de 30 paises e temos de estar preparados para trabalhar em ambientes multiculturais. A escolha da pessoa e as características da própria são a chave para o sucesso da internacionalização, pois em cada país a pessoa expatriada não só é responsável por transmitir os conhecimentos técnicos necessários para a realização da atividade mas também por criar relações com os potenciais clientes, fornecedores, trabalhadores e administrações públicas de cada país. Em consequência os colaboradores que vão ser expatriados, além da exigência técnica têm de ter as capacidades necessárias para poder dirigir equipas globais e ter éxito num ambiente internacional.

Como preparam os colaboradores para a internacionalização? Que tipo de cuidados se deve ter antes de expatriar um colaborador?

Até agora formávamos os expatriados a nível internacional, mas a situação está a mudar, pois toda a empresa trabalha em ambientes internacionais e todos temos de estar preparados para trabalhar em ambientes multiculturais. Esta situação obrigou o departamento de recursos humanos a desenhar novas políticas e novos procedimentos e a dar  formação aos colaboradores, para que sejam capazes de dar respostas ás necessidades do negócio.  O objetivo desta formação é dar aos colaboradores as capacidades necessárias para trabalhar de forma eficaz neste ambiente multicultural, desenvolvendo estilos de comunicação adequados para cada tipologia de país.

Previous post

I have a dream… Um estatuto dos benefícios sociais

Next post

Quer Saber Se O Seu Ordenado Está Na Média Do Seu País? Verifique Com A Calculadora De Vencimentos Global De Davos 2015

Cristina Barros

Cristina Barros

No Comment

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *