Estudos

75% dos trabalhadores consideram que o equilíbrio entre a vida pessoal e profissional fulcral para aceitar um emprego

As expetativas dos trabalhadores portugueses estão a mudar rapidamente à medida que exigem cada vez mais ambientes de trabalho flexíveis e um maior equilíbrio entre a sua vida profissional e pessoal.

É a conciliação entre a vida pessoal e profissional que 75% dos inquiridos considera essencial para escolher um emprego em vez de outro, segundo as mais recentes conclusões do Kelly Global Workforce Index

De forma notável, 34% dos trabalhadores portugueses afirma que estariam dispostos a sacrificar o salário em troca de horários de trabalho mais flexíveis, enquanto 27% afirmam que ficariam felizes se tivessem oportunidade de trabalhar a partir de casa.

“Atualmente, a possibilidade das pessoas desenharem o seu próprio “work life balance” já não é considerada como uma opção mas sim como uma norma básica pela qual as organizações são avaliadas.” Declarou Afonso Carvalho, Diretor Geral da Kelly Services.

Work-Life Design é o nome que, segundo a Kelly Services, melhor descreve a mentalidade do atual ambiente de trabalho exigido por muitos trabalhadores portugueses. Numa descoberta surpreendente, o estudo revela que as pessoas preferem ter um maior número de opções, além de horários flexíveis e a possibilidade de poder trabalhar a partir de casa.

Por exemplo:

  • 40% apoiam políticas organizacionais fortes para restringir o trabalho ou acesso ao email fora das horas de trabalho, fazendo com que o trabalho não ocupe o lugar do tempo pessoal
  • 42% afirmam que programas de bem-estar organizados pela entidade empregadora, como centros de fitness no local de trabalho ou atividades que reduzam o stress, como yoga ou meditação, têm um impacto positivo no equilíbrio entre a vida pessoal e a vida profissional
  • 45% valoriza a oportunidade de procurar projetos inovadores durante as horas de trabalho, incluindo trabalho de voluntariado

 

O tempo de férias é particularmente apreciado pelos trabalhadores portugueses. Um total de 23% acredita que as entidades empregadoras deveriam encorajar explicitamente os trabalhadores a usar o seu tempo previsto de férias, enquanto 13% desejariam ter a oportunidade de poder adquirir tempo adicional de férias.

A mentalidade Work-Life Design é popular junto de homens e mulheres, particularmente Millennials (trabalhadores nascidos a partir dos anos 80). Este impulso também é forte junto dos trabalhadores com elevadas competências em áreas como TI, Gestão e Engenharia.

O relatório da Kelly Services recomenda seis formas para as entidades empregadoras portuguesas gerirem melhor os seus talentos. Estas incluem fazer dos horários flexíveis uma regra; encorajar o descanso dos seus trabalhadores; garantir que o trabalho tem significado; ajudar as pessoas a manter as suas competências atualizadas; criar uma marca e cultura da qual se orgulhem; e proporcionar opções de apoio ao estilo de vida dos trabalhadores, como creches subsidiadas.

“Hoje em dia as pessoas esperam mais do que alguma vez esperaram dos seus empregos e ambientes de trabalho. As pessoas altamente talentosas podem escolher onde e como trabalham,” declarou Afonso Carvalho.

“Numa era em que a lealdade dos trabalhadores já não pode ser tida como garantida, as organizações melhor preparadas para atrair os melhores talentos no futuro são aquelas que oferecem uma gama de programas de bem-estar e de apoio à gestão do tempo que lhes permitam articular a vida privada com a profissional.

“Não se trata apenas de oferecer apoios ao cuidado dos filhos, tempo sabático ou períodos de descanso pagos. Atualmente, as pessoas procuram capacitação através de oportunidades de aprendizagem e desenvolvimento pessoal, programas de bem-estar, ações de orientação e socialização, bem como a possibilidade de realizarem voluntariado e fazerem com que o seu trabalho tenha impacto social.

As entidades empregadoras que consigam proporcionar esta lista de opções aos seus colaboradores estarão mais propensas a ganhar a sua lealdade.

Muito simplesmente, esta é a recompensa de permitir que os trabalhadores planeiem a vida que desejam. ” Conclui Afonso Carvalho.

Previous post

O aumento da remuneração fixa face à variável continua a ser uma constante a nível mundial

Next post

This is the most recent story.

Cristina Barros

Cristina Barros

No Comment

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *